Comercial bom para “pensares”.

              Nunca bebo coca-cola, mas gostei de uma propaganda dela. Acho que não a bebo há uns vinte anos pelo menos… Talvez mais, não me lembro, apenas me lembro da experiência com ossinhos de frango e a vontade de ficar longe da Coca-cola… Minha filha nunca a bebeu, já que a “cola” não entra aqui em casa! Embora ela tenha me contado que  uma vez, quando ela tinha uns 4 anos, na escolinha, a professora deu Coca-cola para ela numa festa de aniversário… Ela detestou, que bom!

            Os salgadinhos porcaritos ela também conheceu na escola e infelizmente: gostou. Balas e chocolates: amou!… Então fizemos um combinado dos dias para os porcaritos na vida dela de primeira infância. Agora eles estão associados às viagens, dias especiais. Na “escolinha” sexta era o dia em que ela levava porcaritos na lancheira… Fazer o que? 

             Contudo, como diz a propaganda, a vida é muito curta, não é bom passar alguns desejos. Saciar todos os desejos desequilibra, um pouquinho com disciplina, não faz mal. Todavia, durante toda época de “escolinha” dela as professoras elogiavam o gosto com que ela devorava as frutas que iam nas lancheiras, nos dias que não era sexta, lógico! 

             O que gostei da propaganda, apesar de não gostar do produto, foi a vitalidade e o equilíbrio do idoso em questão: “Não se preocupe com bobagens (tonterias), você está aqui para ser feliz (…) “. Ele já teve amigos e pessoas que muito amou e se despediu delas, ainda viu novos amigos chegando, como a pequena que nascia! Dançar, sorrir, “ser feliz” com o que a vida nos oferece para sermos felizes.

               Gostei porque ainda outro dia discutíamos sobre a morte, em como é duro se despedir! Já o idoso em questão  a coloca com naturalidade, como um momento de ir até  a estação e dizer adeus aos amigos que viajam! Assim como dizemos “muito prazer” aos que acabamos de conhecer!

             Este idoso feliz está certo, as pessoas viajam, partem, deixam saudade:  a eterna ferida invisível que falou Mandela. Ao mesmo tempo, deixam lembranças e nesta hora, como ele disse,  as felizes são as que ficam. “Aquelas palavras” que machucaram  desapareceram porque depois delas surgiram outras que nos fizeram rir.   

               Então, se a vida é esta viagem, as pessoas partem e voltam sem que percebamos, é melhor que saibamos sempre cumprir nossas promessas, principalmente às crianças, já que logo  tudo será  lembrança. 

             É melhor também sermos francos e não falarmos por trás das pessoas, sem que elas possam se defender, senão causaremos lágrimas e solidão, em quem talvez fosse mais um amigo para nos lembramos com alegria. Afinal, amigos precisam ser cultivados e perdoados constantemente.       

        Resumindo: já que a vida é curta, é preciso vivê-la com maior ética, respeito e amor!  

                Plantar mais flores em vez de pedras.

               Buscar justiça, defender aos mais fracos, sentir compaixão na dor ou solidão alheia,  para então  saber compartilhar alegrias profundas!

             Falar com e sobre o amor ou calar-se, para poder aumentar o números de lembranças felizes, nossas e dos outros. Afinal, ser feliz só é possível, quando se compartilha a felicidade!

 

Camila Tenório Cunha

A propaganda em questão:

 

http://tvuol.uol.com.br/#view/id=receita-para-a-crise-04023062DCC99346/user=e8h4xmy8lnu8/date=2009-08-12&&list/type=tags/tags=805/edFilter=all/

                             

   

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s