O “amadurecimento” moral dos fascistas:

Num livro de educação chamado “A Ética na Educação Infantil: o ambiente sócio-moral na escola” , as autoras Rheta De Vries & Betty Zan compartilham suas pesquisas em três turmas de jardim de infância, com três tipos de professoras distintas, que elas apelidaram de:  a gerente de fábrica, a militar e a comunitária.

Ainda na pesquisa delas, que consistia em filmar todos os momentos das turmas por todo um ano letivo, elas fizeram o seguinte teste: deixar as turmas sozinhas durante realização de atividades. As turmas da gerente e da militar se sentiram “livres” ao se verem apenas com a câmera, que já tinham percebido como um móvel dali, e, aprontaram todas ao se verem sem supervisão. Por outro lado, a turma da professora comunitária como sempre estava dividida em grupos de trabalhos e sabiam exatamente o motivo deles, continuaram em suas atividades normalmente. Dentro de uma perspectiva de conversa, compreensão, diálogo: amadureceram primeiro.

O livro conclui que há desenvolvimento do raciocínio das crianças através das reflexões sobre questões sociais e morais, do que mesmo modo que “reciprocamente, um componente significativo do desenvolvimento intelectual é sócio-moral.”(1998, página 268).

Quando as crianças violam regras ocorre que elas ainda não compreenderam a razão delas, por isso que, qualquer criança do jardim de infância sabe, por exemplo,  que matar é errado.

Também o livro traz elucidação sobre a construção do equilíbrio emocional, quando a criança aprende gradualmente  a adiar  julgamentos,  questionar suas próprias interpretações quanto aos outros, porém, alguns “adultos não aprendem a fazer isso muito bem, tirando conclusões precipitadas que, na verdade, são projeções de suas próprias atitudes”. (1998, página 82). Também  que: “ a coerção realizada pelo adulto produz uma limitação da mente, personalidade e sentimentos da criança”. (1998, página 57).

Pensando em termos de desenvolvimento a criança bem pequena está num nível impulsivo egocêntrico, suas estratégias sociais neste período correspondem a fuga ou luta impulsiva, suas experiências compartilhadas se resumem à imitações do que seja contagiante. Depois segue o nível unilateral, entre cinco e nove anos, porém, as crianças da turma da professora comunitária se mostram além deste período ao final do ano por diversas vezes. Entre 7 e 12 anos temos o nível reflexivo recíproco e costuma haver reflexão conjunta, embora, neste período também haja a inflexibilidade para algumas regras morais(mentira, violação de regras em jogos, etc). O nível mútuo de terceira pessoa em que ocorreriam processos reflexivos empáticos e cooperativos deveria ocorrer na juventude.

Numa pesquisa jogaram a seguinte questão entre crianças e jovens sobre a mentira, mentir é errado, todos sabiam. Contudo, a questão era se poderiam mentir para conseguirem um remédio que salvaria vidas. Esta é uma questão complexa, que requer alto desenvolvimento moral, complexo e reflexivo. Num grupo de crianças entre 8 e 12 todas diriam não em circunstância alguma: mentir é errado e nem para salvar vida seria certo. Num grupo mais maduro algumas jovens (meninas, nenhum menino) acharam que no caso da vida, nada mais precioso que isso, mentir poderia ser válido.

Valores abstratos como perdão, compreensão, empatia, gratidão, solidariedade, amor, fraternidade ocorrem bem durante a juventude, porém, podem surgir ou nunca surgir dependendo da educação que a pessoa recebe. Algumas pessoas nunca desenvolvem a empatia, a compreensão, e, ainda julgam as pessoas em um nível raso: mentiu eu odeio e nunca perdoo. Uma pessoa deste nível primeiro de desenvolvimento talvez acredite apenas no amor como paixão, não compreenda, por exemplo, que amizade por significar formas de amor. Tudo é sempre preto no branco. Julgar antecipadamente também é mais fácil do que se colocar no lugar do outro.

Reflexões assim, como a que fizeram algumas meninas do grupo estudado “para salvar uma vida eu mentiria” são complexas, requerem alto grau de desenvolvimento intelectual e moral.

Um homem adulto que para sua moto para agredir uma mãe que está com bebê de cinco meses com uma roupa vermelha, da Minnie, pensa como? Está em que nível de amadurecimento? Como funcionará seu raciocínio?

Ensinaram para ele que todo petista (que veste vermelho e na capacidade dele intelectual pode ser qualquer um de vermelho, até um bebê com roupa da Minnie) é ladrão e tem que morrer. Então, mesmo sendo um bebê de cinco meses ele pode ameaçar dar tiros, falar para mãe que ela é puta, pois foi isso que ensinaram para ele, então  é isso que precisa ser feito?

Qual o nível de amadurecimento moral e intelectual de um ser humano assim se uma criança bem pequena já sabe que matar é errado?

Sabemos que se deixar levar pelo que é contagiante e resolver as coisas com violência é algo do nível das crianças pequenas, egocêntricas. Estarão neste estágio de desenvolvimento moral-intelectual todo fascista que vai agredir um bebê de cinco meses com roupa da Minnie? Estarão neste primeiro nível aqueles que agrediram o cachorro com lenço vermelho? Estarão ainda neste nível aqueles que tentaram bater no casal de ciclistas que vestia vermelho?

Tudo nos leva a crer que sim e se estiverem ainda neste primeiro estágio de amadurecimento moral, então devemos culpar uma soma de fatores: uma educação ruim, coercitiva,  somada à um reforço dela com uma mídia que incentiva  ódios.

Todavia, são adultos e como tal devem responder por seus atos, independente de quem sejam os culpados, estes adultos violentos poderiam não ter agido com violência, até porque um casal passeando, uma mãe com seu bebê e um cachorro não representam, por exemplo, risco de vida. A lei de todo país permite a violência se for legítima defesa, não parecia o caso em nenhum dos momentos acima.

Talvez se toda incitação nas mídias a qualquer tipo de ódio fosse punida isso se atenuasse?

Temos que pensar para  frente, até aqui é muito preocupante o que temos visto, nada de bom pode nascer socialmente de ódios incitados e praticados.

Se estas pessoas estão atrasadas em seus estágios morais, devemos ajudá-las a crescer, assumindo as consequências de seus atos.

Camila Tenório Cunha

22/03/2016

a roupa vermelha do beb~e agredido

P.S.: Reportagem da Record: http://noticias.r7.com/brasil/de-roupinha-vermelha-bebe-e-mae-sofrem-agressao-disse-que-ia-me-dar-um-tiro-21032016

P.S.: 2 Mais casos de agressões por vestir vermelho: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/03/menino-e-agredido-por-usar-camiseta-da-suica-na-escola.html

http://outraspalavras.net/alceucastilho/2016/03/21/ja-sao-tres-os-casos-de-maes-com-bebe-agredidas-por-uso-de-vermelho/

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s